Total de visualizações de página

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

BALSAMO

O céu se desnuda ante teus olhos
E o sol se abriga em sua pele
Para que o vento seque suas lagrimas
E nos seus lábios brote um sorriso
E eu em meu silencio
Escuto teu canto a retumbar
 
A brisa virou balsamo
O tempo se fez um nada
Diluindo-se no ar
E  eu coberto em murmúrios
Entrego-me a ti
Com a melodia da respiração
Entre batidas deste malfadado  coração
 
        (Orides Siqueira)

2 comentários:

Nádia Santos disse...

Ah coração sem sorte... procurando algo que amenize sua tristeza. Lindo poeta. Um abraço.

Rosangela Abreu disse...

## Lindo demais poeta!! ##